Credibilidade, Tradição e Profissionalismo
Há mais de 15 anos contribuindo para a realização de eventos nacionais e internacionais

Você já deve ter lido a coluna do Irineu, intitulada A+ Atitude Positiva. Pois então esqueça tudo que ele escreve lá, pois cá a verdade deste prestidigitador das rádios paulistanas é bem outra.

Irineu não nasceu em Tatuí, nem no Bairro do Limão. Na verdade, Irineu não nasceu, apesar da rima. Irineu foi cuspido do alto de um disco voador, em sobrevôo por Varginha. Ele e Gugu Liber-auto, se é que me entendem.

Irineu poderia estar rico hoje, se tivesse aceitado a oferta do então futuro apresentador do SBTinta, que convidou-o a integrar primeiro a banda Polegares (banda de rock formado por Proctologistas de renome e dote avantajado), e depois a trupe do Pintinho Amarelinho e seu Saco Roxo (um alegre e saltitante pássaro, que carregava um saco roxo recheado de presentes e preservativos, e vivia rodeado de armários fechados).

Irineu tinha um sonho. Ele e Martin Luther King, mas este sonhou antes. Irineu preferiu o sonho da padaria do Seu (dele) Manoel, onde, aliás, deve uma astronômica conta, não paga até hoje.

Mas foi então que Irineu conseguiu entrar no rádio. Apesar de se queimar nas válvulas e de sua cabecinha avantajada não passar pela abertura da caixa, Irineu deu um jeito. Como? Isso é segredo, mas ele ficou conhecido por anos a fio como o Homem-Válvula...

A carreira de Irineu no rádio é conhecida. Apresentou o primeiro programa em braile do rádio, com linguagem para cegos, criou o primeiro programa de Roque (Roque, seu primo, sempre quis ter um programa...), produziu o lançamento nacional do primeiro CD pirata (acabou em cana, mas isso não vem ao caso). E muito mais. Logo em breve a gente conta...

Mais importante do que a notícia, é a maneira como você encara a realidade, todos os dias

Formulário de contato